Make your own free website on Tripod.com
 
 

 
 


by YuMi DeAth

 

Capítulo 17 - Briga no Dias das Bruxas

Na tarde da festa do Dia das Bruxas, Rony estava bastante empolgado; provocar Hermione desfilando com Lilá pelo Salão era a vingança que o fazia sentir-se vitorioso. Era do saber de todos que a monitora não iria com ninguém na festa. Devido ao acúmulo de responsabilidades, Hermione estava tão bitolada que dizia que iria vigiar a festa para que nada de errado aconteça.

Harry iria para a festa meio contra a sua vontade; permaneceria apenas alguns minutos por lá para marcar presença e depois, dirigiria para a ala hospitalar. Queria muito ficar com Cho, já que no dia anterior, ele não conseguiu visitá-la.

Rony, que já se preparava para o baile, havia até mesmo esquecido sobre o assunto que Harry havia falado na noite anterior; para ele, não importava mais quem era Íris Avery e o que Draco pretendia com ela. Aliás, ninguém estava se importando com mais nada; a moda de "parzinho" em bailes pegou de vez no Baile de Inverno do ano passado.

- Ridículo! - Hermione disse, indignada para Harry, no Salão Comunal. - Ninguém nunca se importou em ir acompanhado de alguém em festa nenhuma; bastou aquele baile do ano passado para essa moda pegar. Parece até que virou obrigação de todos os alunos andar de mãos dadas com alguém em todas as festas...

Harry concordou com a amiga. Pelo menos, demonstrou isso a ela. Essa repentina mudança de todos quererem ter acompanhante nas festas também estava o deixando atordoado; ele nunca se saía bem em convidar garotas para acompanhá-lo nas festas. No entanto, dizia a si mesmo que, assim que Cho se recuperasse, iria dizer tudo o que sentia por ela.

À noite, Harry encontrou Hermione exibindo o seu distintivo de monitora pelos corredores do castelo; a maioria dos alunos estava ainda se arrumando para o baile.

- Que tanto esse pessoal se arruma, Harry? - ela perguntou ao amigo. - É uma simples festa de Dia das Bruxas, e não um baile de gala. Que eu saiba, teremos que ir com os uniformes normais...

Era de fato uma verdade. Em todas as festas de Dia das Bruxas, ninguém ligava para isso. Era um ano estranho; fatos sem lógica e reações imprevisíveis tornaram-se rotina na vida de Harry. Parecia que ninguém mais lembrava do ataque dos Comensais e muito menos, do desaparecimento da Profa. Lies.

Nem mesmo Lupin conversava direito com ele. Harry o viu constantemente de segredinhos com outros professores e com Dumbledore. Sabia que eles estavam buscando maneiras de derrotar o Lord das Trevas, ou de pelo menos, proteger todos de seus ataques repentinos. Harry não tinha nem mesmo ninguém para conversar sobre seu padrinho, que estava preso em Azkaban, cercado por aqueles dementadores horríveis.

Snape também estava ultimamente bem inquieto. Estava diferente desde o ataque dos Comensais. Estaria ele no meio deles? Não, isso era impossível. Harry viu através da penseira de Dumbledore que foi inocentado, e de que ele havia voltado para o lado do bem antes da queda de Voldemort. Snape poderia também estar absorto com a idéia de que Karkaroff estava morto. Ele poderia ser o próximo, pois também era um traidor. E por onde ele andava, enquanto os seguidores de Voldemort atacavam o campo de quadribol? Nem ele e nem Lies estavam por perto. E desde então, Snape tem sido mais frio e, fora das salas de aulas, podia-se ver claramente o seu rosto contorcido de preocupação. Além do que acontecera ontem, Snape mal o olhava, quando Harry levou um soco de Malfoy e perdera pontos por causa disso.

Mas isso era assunto para se tratar outro dia. Esse dia era dia de festa; Harry já podia ouvir passos de alunos dirigindo-se ao Salão Principal bastante empolgados. A maioria tinha par; Hermione bufava enquanto os via. E não demorou muito até que Rony viesse, de braços dados com Lilá Brown.

- Oi, Harry! - Rony cumprimentou, sorrindo. Depois, secamente virou-se para Hermione. - Oi, Hermione!

Hermione balançou a cabeça, e continuava a observar o casal que passava pelo corredor. Harry, que estava atento àquela situação, percebeu o incômodo de Hermione ao ver Rony de braços dados com Lilá.

- E aí, Harry! - Simas vinha vindo, acompanhada com uma aluna pertencente a Corvinal. - Não vai à festa?

- Vou, vou sim... - Harry respondeu de repente. - Daqui a pouco...

- Está acompanhando Hermione? - ele perguntou, olhando pra a monitora da Grifinória. Espantada, Hermione desviou o olhar e arregalou os olhos para Simas.

- Não... - os dois responderam ao mesmo tempo, ambos constrangidos com a pergunta.

Simas olhou desconfiado para os dois.

- Olha, Simas... - Hermione começou, ajeitando o seu distintivo de monitora. - Tanto eu e Harry achamos que não é necessário irmos acompanhados para a festa... É um simples Dia das Bruxas, afinal e...

- Sei... - Simas sorriu para os dois. - Bem, estamos indo para lá... nos encontramos por lá então, Harry!
Harry acenou para o amigo e virou-se para Hermione, quando Simas já estava longe:

- Acha que faremos feio se aparecermos sem par?

- Não, Harry. A Festa de Dia das Bruxas não obriga ninguém a ter acompanhante!

* * *

Quando Harry e Hermione entraram no Salão, que se encontrava lotado, muitos alunos da Grifinória voltaram-se para ele. É claro que a maioria achava que os dois estavam juntos; Gina até sorriu quando os viu.

Acompanhada de Neville, a irmã de Rony chegou mais perto dos dois e os cumprimentou:

- Não sabia que vocês dois viriam juntos!

- E não viemos juntos. - Hermione respondeu. - Tanto eu como Harry não temos par.

- E por que não?

- É desnecessário, Gina! - a monitora da Grifinória disse. - Para quê ter par em uma simples festa de Dia das Bruxas? Pôxa, temos essa festa todos os anos e ninguém se interessava por isso. Por que agora...

- E aí, Harry? - Fred chegava, de mãos dadas com Alicia Spinnet. - Tudo bem? Oi, Hermione!

- Olha só! - Jorge também aparecera, acompanhado com uma aluna do sexto ano da Grifinória que Harry desconhecia - Nem nos contou que você viria com a Hermione, não é mesmo, Harry?

Gina riu.

- Eu não vim com a Hermione! - Harry respondeu. - Estamos juntos porque somos os únicos que não tínhamos par.

- E por que vocês não formam agora? - Fred sugeriu.

Os dois ficaram vermelhos. Sem graça, eles desviaram os olhares de todo mundo.

- Bem, vocês são complicados! - Gina sorriu. - Fiquem juntos, oras... Não precisam namorar para formarem um par.

Neville apareceu nesse instante, e depois de cumprimentar Harry e Hermione, ele arrastou Gina de volta à mesa da Grifinória. Fred e Jorge também sumiram logo em seguida, se infiltrando no meio de outros alunos.

Harry estava desinteressado neste negócio de formar par com Hermione; imaginava como Rony reagiria perante esta situação. Apesar do amigo nunca ter confessado a ele o que sentia pela amiga, dava pra ver o quanto sentia ciúmes quando Mione mencionava o nome de Vítor Krum.

Rony estava ainda ao lado de Lilá Brown, sentados no canto da mesa comprida da Grifinória, bem próximo dos professores.

- Lupin não está por lá... - Harry comentou, observando a mesa dos professores. - Hoje é noite de lua cheia, e imagino o sufoco que ele deve estar passando, seja lá aonde for...

- Ele está bem, Harry! - Mione respondeu, apesar de não tirar os olhos de Rony e Lilá, que estavam se divertindo muito, ao parecer dela. - Lembre-se de que o Prof. Snape deve estar fazendo as poções para Lupin estar consciente enquanto estiver transformado em lobo...

Ele viu a amiga observar Rony de longe. Deu um longo suspiro por não entender porque seus amigos não se entendem logo de uma vez. Porém logo mudou de idéia, quando pensou em Cho, e lembrou-se do quão difícil era se declarar a alguém que você gosta. Não era certo culpar Rony por isso; ele fazia a mesma coisa.

Pensando nisso, ele percorreu com os olhos pelo salão até encontrar o seu objetivo: Íris Avery. Ele a encontrou, meio isolada em um canto, de braços cruzados e atenciosa aos alunos da Sonserina.

- Mione, espere aqui! - Harry pediu, já caminhando entre as pessoas e indo em direção à Íris. Ele precisava saber o que Malfoy queria tanto com ela.

- Harry, aonde você vai? - Hermione o chamava, mas era tarde demais. Harry havia sumido de vista, no meio da multidão.

Quando Harry chegou perto da monitora da Sonserina, uma coisa o fez parar: Draco estava perto dela, e os dois começaram a andar de braços dados!

Draco e Íris sentaram-se na mesa da Sonserina, e os dois conversavam normalmente. Harry não entendia mais nada; ontem ela havia brigando com Draco e, um dia depois, os dois estavam naquela intimidade?

Andou em direção da mesa da Sonserina, bem onde Íris e Draco estavam, e resolveu interromper a conversa deles:.

- Será que eu poderia falar com você, Avery?

Íris olhou para Harry sem entender. Alguns nem sequer notaram a presença de um aluno da Grifinória por ali. Draco olhava intensamente para Harry, e buscava alguma justificativa para essa situação.

- Potter, eu... - Íris desviava o olhar do garoto.

- Ela está acompanhada, Potter! - Malfoy interrompeu.

- Não vou roubá-la de você, Malfoy! - Harry respondeu secamente. - Queria apenas dar uma palavrinha com ela.

- Pois pode falar, Potter! - Draco levantou a voz.

Com raiva da reação de Malfoy, e conseqüência do soco de ontem que ainda latejava, Harry puxou Íris pelo braço e arrastou-a consigo, desviando de muitos alunos da Sonserina que estavam no caminho. Íris estava calada, imóvel diante dessa situação; deixava apenas ser conduzida. Ainda puxando Íris para longe dali, ele sentiu uma pressão do lado oposto: Draco estava segurando o outro braço dela.

- Eu pensei que você tivesse mais educação, Potter!

Draco demonstrava fúria, e segurava firmemente o pulso de Íris, sem a mínima intenção de soltá-lo.

- Eu tenho certeza, Malfoy... - Harry puxou Íris para mais perto, deixando a garota um pouco atordoada com a situação. Todos os alunos que estavam em volta, agora olhavam aquela cena. - Que eu tenho muito mais educação do que você!

Crabbe e Goyle surgiam nesse momento, empurrando muitos alunos para poderem passar. Malfoy levantou a mão, em sinal para os dois permanecessem no lugar. Agora, praticamente metade do salão estava em silêncio, e aos poucos, mais e mais pessoas se aquietavam.

Hermione também apareceu, empurrando todas as pessoas que estavam no caminho. Para todos, ela mostrava o distintivo de monitora, arrancando resmungos de muita gente.

- Harry! - Hermione finalmente chegara. Ela ficou ao lado de Harry, encarabdo Draco e Íris.

- Acho que você devia dar mais atenção ao seu par. - Draco dizia, olhando para Hermione. - Seria mais conveniente do que ficar roubando o par dos outros.

- Eu não estou roubando seu par! - Harry retrucou, demonstrando claramente a sua raiva através da voz. - Eu disse apenas que queria falar um minuto com ela. Não vou desfilar com Avery por aí, Malfoy! Eu não sou você.

Iria iniciar uma briga ali. Harry e Draco largaram os braços de Íris ao mesmo tempo, e um avançou no outro. A monitora da Sonserina desviou um pouco do ataque dos dois, e arregava os olhos a cada soco que Harry ou Draco recebia. Rony, que também teve um pouco de dificuldade de chegar ali, vibrava a cada soco que era Harry conseguia mandar. Hermione começou a ficar desesperada, e agarrou Harry puxando para um canto, enquanto Íris fazia o mesmo com o Draco. Ainda furiosos, eles tentavam se livrar das monitoras de suas casas.

- Pare com isso, Harry! - Hermione fazia de tudo para paralisá-lo, mas teve que pedir ajuda a Rony.

- Manda a ver, Harry! - Rony pediu. - Dá mais um soco nele e...

- Rony! - Hermione advertiu.

- Me solta, Mione! - Harry estava descontrolado. Seus óculos escorregavam pelo nariz, e caiu no chão. - Ele vai ver só, ele me paga e...

Draco se acalmava lentamente. No entanto, Íris ainda o segurava, garantindo de que ele não pularia novamente em cima de Harry.

- Mas o que está acontecendo aqui?

A Profa. McGonagall veio correndo até o centro das atenções de todos os alunos. Harry e Draco estavam calmos, mas claramente poderia notar-se que eles haviam brigados. As vestes de Malfoy estavam amassadas, e os óculos de Harry quebraram quando caíram no chão. Draco ainda tinha um pequeno filete de sangue escorrendo entre os seus lábios e Harry ainda podia sentir o soco que recebeu, no mesmo lugar do dia anterior.

- Eu não acredito que vocês chegaram a esse ponto! - McGonagall estava furiosa. Atrás dela, chegava Snape, com a sua expressão de desprezo de sempre. No entanto, estava calado, apenas observando a cena.

- Professora, foi Malfoy quem começou e...

- Não me interessa quem iniciou a briga, Sr. Potter! - a diretora da Grifinória não estava para brincadeiras. - Os dois terão que cumprir detenção!

- Mas, professora...

- Não tem nada de mais, Sr. Malfoy! E vou descontar cinqüenta pontos de cada um!

Os dois bufaram. Harry abaixou-se para pegar seus óculos quebrados e procurou a varinha no meio de suas vestes. Arrumou-os em um instante, enquanto a maioria dos alunos se dispersava pelo salão.

A Profa. McGonagall ainda se encontrava ali e encarava seus alunos avidamente. Disse a eles:

- Semana que vem combinaremos a detenção de vocês. Agora, vão para a ala hospitalar e depois, curtam o resto da festa. E eu espero que os senhores não voltem a fazer isso, senão a punição, além de maior, será pior! Bem pior!

Harry sentiu um frio na espinha só de pensar que tipo de punição ele e Draco teriam que cumprir. Draco também ficou meio assustado com a afirmação da professora. Íris e Hermione possuíam a mesma expressão: estavam satisfeitas com o que aconteceu.

A perda de cinqüenta pontos para a Grifinória não pesara tanto; afinal, a Sonserina também perdera. Alguns alunos reclamaram, mas a maioria apoiava Harry e a sua atitude com Malfoy. Já o pessoal da Sonserina, estava obsoleto diante dessa situação.

Logo, os professores voltaram à sua mesa. Snape não havia dito nada; nem sequer quis defender Draco quando McGonagall descontara cinqüenta pontos de sua casa. Harry percebeu que Snape continuava preocupado com alguma coisa, e dava para notar isso mesmo que ele tentasse esconder.

- Vamos, Harry! - Hermione pediu, a fim de parar de chamar a atenção. Harry ainda se ajeitava. - Temos que cuidar desse seu olho roxo.

Rony ajudava o amigo a se levantar. Ele esquecera um pouco a sua briga com Hermione; só o fato de Harry ter brigado com Malfoy já era suficiente para esquecer pequenos contratempos.

- Vamos embora, Avery! - Draco agarrou o braço da monitora da Sonserina. Ele andou em direção contrária, mas Íris permaneceu no lugar.

- Eu vou falar com Potter, Malfoy! - ela disse com firmeza.

- O quê? - Draco demonstrou indignação com a atitude dela.

Os lábios de Harry curvaram-se lentamente em um sorriso de vitória: Malfoy estava sendo desmoralizado na frente de muitos sonserinos. Rony também gostou da situação, e parecia que Draco realmente ficara sem graça. Com raiva, ele apenas deu meia-volta, não antes de lançar um olhar de fúria para Íris.

Rony e Hermione observavam Harry e Íris, que se encaravam intensamente. Abafando as suas risadas, os dois se retiravam em passos lentos, deixando-os a sós.

- O que você quer, Potter? - Íris finalmente quebrou o silêncio que unia os dois. - Espero que seja algo realmente importante para compensar toda essa confusão!

- Venha comigo! - Harry a conduziu para fora do Salão, ao mesmo em tempo que Rony e Mione via os dois se retirando de longe.

 


>>Ir para o próximo capítulo

<<Voltar para o capítulo anterior

*Voltar para o Índice*


*§*YuMi DeAth*§*
Webmaster®